DIÁRIO DE BORDO

A grandeza dos pequenos gestos com a Caravaninha em Canas

caravaninha_004_canas

Última parada da Caravaninha pelo Vale do Paraíba, em São Paulo, a pequena cidade de Canas fez jus ao adjetivo que a acompanha. Pequenino, o município mostrou como o esporte e as artes educacionais podem fazer a diferença dentro da escola, seja ela modesta em tamanho ou não. A grandeza de Canas está em seus braços abertos para as novas metodologias e seus visitantes caravaneiros.

 

“Canas é uma cidade muito pequena. Só para se ter uma ideia, a gente atende 3600 crianças em três dias de Caravana, Canas tem 4 mil habitantes no total. Uma cidade pequena, mas como toda cidade do interior muito acolhedora. A gente foi muito bem recebido lá”, comparou o professor Tiago Baia. A Caravaninha é a versão ainda mais itinerante dos projetos Caravana do Esporte e Caravana das Artes levando a ação educacional diretamente às escolas.

 

A simplicidade no detalhes da pequena Canas.

A simplicidade no detalhes da pequena Canas.

O caráter acolhedor tão reiterado pelos caravaneiros foi percebido por Tiago antes mesmo de a ação começar. Mais precisamente com um copo d’àgua. “Na secretaria havia um filtro de barro que há tempos eu não via!”, ressaltou o professor, lembrando o quanto a simplicidade da Secretaria Municipal remetia ao aspecto de simplicidade das pessoas e da cidade.

 

E foi em meio as singelezas de Canas que mais uma ação marcou a Caravaninha. Em meio as árvores e um ginásio da cidade tivemos um contato próximo com as crianças de duas escolas municipais e um dia marcante para a educação, onde movimento e sensibilidade despertaram de cada criança.

 

“Nós conseguimos utilizar um espaço aberto lá para fazer as atividades com as crianças. Elas estavam atentas à proposta e elas abraçaram, fizemos atividade de dança e música junto durante o tempo todo, nenhuma ficava de fora. Uma coisa interessante também é que as crianças são do interior, mas são muito agitadas, ativas, em todas as cidades, mas sempre receptivas às propostas”, avaliou Tiago Baia.

 

A felicidade dos pequenos com o dia diferente de atividades parecia tão grande quanto as dos gestores e professores, que não esconderão o sorriso grato, quase infantil, com a doação de materiais utilizados pela Caravavinha. “Foram bolas de futebol, basquete, golzinhos, raquetes”, enumerou o professor, satisfeito pela chance de conhecer as grandezas da pequenina Canas.

Materiais doados, metodologia aprendida, a Caravananinha também deixa seu legado em Canas.

Materiais doados, metodologia aprendida, a Caravananinha também deixa seu legado em Canas.

 

Comentários