DIÁRIO DE BORDO

A semana dos andarilhos da educação na segunda Caravaninha de 2017

Caravaninha aproxima professores de alunos e propõe movimento  e sensibilidade na ação.

Caravaninha aproxima professores de alunos e propõe movimento e sensibilidade na ação.

A Caravaninha costuma levar ao pé da letra algumas expressões. Aqui, quando falamos em “colocar a educação em movimento”, logo entendemos “colocar o pé na estrada”. Trocadilhos à parte, esse movimento pela educação é muito mais que os quilômetros percorridos nas vias interioranas, pois preferimos mensurar nosso trabalho educacional em sorrisos renovados e histórias compartilhadas. Essa é a unidade de medida de quem caminha pela educação.

 

A Caravaninha é uma versão abreviada dos projetos Caravana do Esporte e Caravana das Artes, porém não menos educacional. Se a estrutura levada é reduzida, o engajamento e dedicação dos professores é igualmente gigante. Com a grande diferença de visitar diretamente as escolas, a Caravaninha experimenta de uma natureza hospitaleira, carregado de cordialidade e afeto.

Novas metodologias para o esporte e as artes estarem mais presentes e fortes nas escolas!

Novas metodologias para o esporte e as artes estarem mais presentes e fortes nas escolas!

 

A palavra acolhimento foi destacada em todas as cidades pela quais a Caravaninha passou. De Cruzeiro para Lorena, Guaratinguetá e Canas, a distância de casa foi tratada com a proximidade das crianças.

 

“A gente começou lá em Cruzeiro. Monta, faz ação, vai para outra cidade, aí já monta tudo de novo! Foi intenso, mas não a ponto de perdermos a alegria, todo dia, todo momento. Todos os professores estiveram muito envolvidos, todo mundo com muitos braços, ajudando em todas as frentes. E foi muito proveitoso, tanto para nós quanto para eles”, avaliou o professor Tiago Baia. Munido de um violão, ele deu aulas com o professor Josafá Filho, integrando as artes ao movimento.

 

Além do acolhimento, as trocas também foram inerentes ao movimento da Caravaninha. Elas eram a entrega de cada professor e os aprendizados acumulados. Para os jovens presentes nessa empreitada, a troca de conhecimento foi de maior valia.

 

“Muito legal, muito importante! O conhecimento das cidades diferentes, com várias culturas diferentes, trabalhar junto com as crianças, tanto para mim quanto para elas, é um aprendizado em cada cidade. A gente aprende junto com eles outras atividades, todos saem satisfeitos”, afirmou Valdir Antônio Oliveira da Silva, Jovem Líder do núcleo Embu das Artes, do Instituto Esporte Educação.

Jovens do IEE também reconhecem movimento enriquecedor com participação na Caravaninha.

Jovens do IEE também reconhecem movimento enriquecedor com participação na Caravaninha.

 

A presença das metodologias educacionais dentro da escola ainda possibilita que professores e gestores ampliem o repertório, crentes de que é possível introduzir o movimento na educação em qualquer espaço e ainda tornar o acesso mais democrático. Essa ideia que faz parte da Caravana do Esporte e da Caravana das Artes é levada sem escalas para o ambiente encolar.

 

“A Caravana é um movimento gigante, mas a Caravaninha, com característica acolhedora também é muito bacana. Saber que a gente pode atuar nessas duas frentes é muito legal também. A gente atende uma cidade muito grande, com muitas crianças, mas também dessa forma simples e efetiva”, comemorou o professor Tiago Baia.

 

“Uma certeza é que nós marcamos muitas vidas, porque nosso atendimento foi muito acolhedor, de abraçar, de estar perto. Isso é o que fica para mim”, encerrou Tiago Baia.

 

A Caravaninha agradece a todos que receberam nossa equipe no interior paulista. Aos pequenos gestos que nos engrandeceram durante essa jornada.

 

Vale do Paraíba, obrigado!

 

SIGA OS PASSOS DA CARAVANINHA:

Cruzeiro > Lorena > Guaratinguetá > Canas

Relação intimista gera maior confiança dos alunos. Eles estão sempre abertos a novos aprendizados.

Relação intimista gera maior confiança dos alunos. Eles estão sempre abertos a novos aprendizados.

Comentários