DIÁRIO DE BORDO

Kamau vai do improviso de rimas ao de manobras na Caravana

Kamau levou sua contribuição através da música e da própria história com esporte e arte. | Foto: Celia Santos

Kamau levou sua contribuição através da música e da própria história com esporte e arte. | Foto: Celia Santos

O rapper Kamau reservava enorme apreço pela Caravana do Esporte e a Caravana das Artes antes mesmo de conhecer os projetos de perto. As fotos publicadas pelos amigos nas redes sociais, os relatos que escutava, as notícias, tudo o aproximava da vontade de fazer parte desse espaço reservado para a educação por meio do esporte e das artes. Agora ele está conosco em Laranjeiras, em Sergipe, talvez ainda mais admirado.

 

“É minha primeira experiência na Caravana. Eu sou muito de observar para entender o que está acontecendo para depois poder me inserir e realmente contribuir com alguma coisa”, afirmou Kamau.

 

O período de observação, no entanto, foi curto. A Caravana prima pelo movimento e logo o rapper já conduzia uma das atividades na tenda das artes. Tirou o boné e deixou que ele fosse preenchido por papéis com palavras sugeridas. Assim, com o raciocínio rápido que lhe é peculiar, foi apresentando o jogo de rimas e ideias para as crianças.

 

Com a ajuda do professor Giba Conceição, as crianças foram dando o ritmo para o rapper construir suas frases. “Eu tentei fazer um improviso na aula de música em cima de um ritmo e com as palavras que as próprias crianças. Consegui fazer algo que talvez eles não tenham visto”, detalhou. Embora Kamau esteja acostumado com as rimas e o rap, a experiência foi tida como enriquecedora.

 

A arte de Kamau é cheia de ensinamentos, mas nem sempre eles são absorvidos de maneira igual. Cada um reserva uma história e Kamau constrói a sua a parte desse impacto da arte sobre as pessoas. Foi esse o recado dado no Sarau Caravana, na noite desta quarta-feira (12). “No rap a música vem da vivência de cada pessoa. Cada um que ouvir o rap vai absorver de uma maneira diferente, mas eu espero que elas aprendem um pouco com isso”, reforçou.

Kamau tira sugestões de papéis colocados em seu boné para o jogo de improviso na Caravana. | Foto: Celia Santos

Kamau tira sugestões de papéis colocados em seu boné para o jogo de improviso na Caravana. | Foto: Celia Santos

 

Se na arte o jogo de improviso era com as palavras, no skate Kamau improvisou manobras. Skate é o esporte do rapper, aquele esporte para o qual ele temos um carinho especial, pois marca profundamente sua vivência. Apresentar o skate para as crianças de Laranjeiras é oportunizar aprendizados.

 

“O skate é o ambiente onde eu me sinto mais a vontade porque eu pratico a mais tempo”, pontuou. “E hoje eu ouvi um moleque dizer ‘eu nunca andei de skate, o meu sonho é ter um’ e ele estava feliz com aquela experiência”, compartilhou o rapper, igualmente contente por viver uma Caravana.

Kamau ajudou os pequenos sergipanos na missão de andar de skate na miniramp. | Foto: Celia Santos

Kamau ajudou os pequenos sergipanos na missão de andar de skate na miniramp. | Foto: Celia Santos

 

A primeira em Laranjeiras não será esquecida, mas Kamau quer ampliar sua memória com o esporte e as artes educacionais. “Eu acho que com certeza eu quero voltar na Caravana. Agora que eu já passei pela primeira vez, que eu já estreei eu vou conseguir contribuir melhor numa próxima oportunidade e fico feliz de contribuir em frentes diferentes, tanto na parte da dança, como na parte da música e no skate, fora o show [Sarau Caravana]”, comentou. “Espero voltar, fica a dica”, reforçou o rapper.

Comentários